O espelho retrovisor: meu mestrado da ESPM

Portrait-21por Marcos Hiller, editor desse portal

Eu fiz um mestrado em comunicação em práticas do consumo na ESPM-SP. Concluí em março de 2013. E no nosso programa, é necessário que para o exame de qualificação (uma pré-banca que o mestrando enfrenta no meio do caminho) se produza um chamado “memorial” onde você escreve toda sua trajetória pessoal, acadêmica e profissional até chegar ali naquele rito de passagem.

Escrever esse texto foi um grande viagem, um grande barato. Foi como encher a cara e ficar lembrando histórias deliciosas que perpassaram por toda sua vida.

Eu transcrevo aqui esse texto. Acho que pode ser interessante para quem deseja alçar vôos no mundo acadêmico. E agradeço a sua leitura.   ___________________________________________________________________________________________

A vida é uma complexa relação entre pessoas, momentos, encontros e desencontros. Eu nasci em Belo Horizonte em 1978, e após inúmeras mudanças de cidades e estados por conta de empregos de meu pai, finalmente nos fixamos em São Paulo em 1985. A cidade acolheu minha família e foi onde tudo aconteceu de relevante para nós. Iniciei minha vida acadêmica em 1997 por conta de certa influência de meu pai, que sempre trabalhou como executivo de marketing em empresas. Durante décadas ele atuou nas mais diversas indústrias e segmentos de mercado, sempre em áreas de marketing, vendas e pesquisa. Logicamente, ele inspirou a escolha do curso de graduação que eu deveria tentar ingressar.

Entrei na ESPM em 1997 e me formei no final de 2001. Esta é a escola onde eu voltaria como aluno de mestrado em 2012. Entrei na ESPM no curso de Administração de Marketing. Tudo era novo, tudo era novidade. Eu morei durante anos no bairro de Interlagos. Acordava às 5 horas da manhã para pegar o ônibus até a ESPM. Uma rotina meio cansativa, mas não tinha do que me queixar, afinal estava estudando em uma escola de renome, com bons professores e fazendo grandes amigos. No segundo ano da faculdade, consegui meu primeiro estágio em um escritório de cobrança na Av. Paulista. No terceiro ano fui para uma empresa de tecnologia e no penúltimo ano da faculdade fui para o BankBoston, onde ficaria por mais de cinco anos.

Concluí meu curso na ESPM com um prêmio de excelência acadêmica no TCC, um endosso que faço questão de colocar até hoje em meu currículo e que muito me honra. Meu trabalho teve como título: “Análise do impacto comercial e de marketing no longa metragem Star Wars EPISÓDIO I: A Ameaça Fantasma”. Meu orientador foi o Prof. Francisco Serralvo, hoje coordenador da pós-graduação (stricto-sensu) em Adminstração da PUC-SP. A banca examinadora foi composta pelo Prof. Luis Volpato (ainda hoje professor da ESPM e que constantemente encontro pelos corredores da casa e que sempre faço questão de lhe dar um efusivo abraço) e pela Profa. Clotilde Perez, hoje livre-docente e professora da ECA-USP e umas das mais prestigiadas pesquisadoras no Brasil na área de marcas e semiótica. Após me formar, fiquei um ano sem estudar.

Depois disso ingressei em um curso de pós-graduação na FAAP na área de Marketing de Serviços. Investi meu tempo me aprofundando ainda numa especialização em marketing, visto que minha carreira profissional no universo corporativo evoluía nesta área. Depois de concluir minha primeira pós-graduação, fiquei mais um ano ‘parado’ e fui fazer mais uma pós-graduação na área de Gestão de Marcas (Branding) na Universidade Anhembi Morumbi. Foi nesse curso que fiz uma imersão no mundo das marcas, que se tornaria um dos meus objetos de estudo mais inspiradores. Paralelo a isso, a minha carreira no mundo corporativo evoluía de forma consistente.

No entanto, a agressividade do mercado e a forma como eu enxergava as relações entre pessoas, poder, metas, políticas, expectativa de carreira, etc. naquele ecossistema começava a ir contra meus valores pessoais. Saí do BankBoston e fui para o Santander, onde ficaria por mais cinco anos. No banco espanhol, conheci um lado ainda mais feroz do mundo corporativo, marcado por dinâmicas entre ainda mais agressivas e nada admiráveis. Foi nesse momento que consegui colocar em prática um velho desejo, que até então estava adormecido: começar a dar aulas. Eu sempre gostei de estudar, sempre gostei de conhecer pessoas. Nesse sentido, ir em busca do mundo acadêmico seria uma manobra pertinente.

Marcos Hiller - Palestras

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Uma palestra que dei em um evento em Salvador, por volta de 2010.

Em 2007, por meio da irmã de uma amiga, comecei a lecionar aulas na UNIP (Universidade Paulista), localizada Rua da Paz aqui em São Paulo, dando aula de Mercadologia para turma de um curso de tecnólogo em Marketing. Lembro-me como se fosse hoje a primeira vez que entrei na sala de aula diante daqueles 45 alunos. Ganhava cerca de R$ 20,00 por hora/aula. Ganhos financeiros não significavam nada para mim naquele momento. E pra falar a verdade, até hoje ganhos financeiros são o que menos importa pra mim. Faço o que eu amo, e a grana vem, simples assim. Sabia que se fizesse um bom trabalho, as recompensas financeiras viriam mais pra frente. Bastava eu fazer aquilo de forma apaixonada e bem feita. Me preparei, montei um material consistente e acho até que consegui fazer um bom trabalho. Dali em diante, mais e mais aulas foram surgindo.

Paralelamente, o banco ia me sufocando e eu com uma vontade cada vez maior de jogar tudo para o alto e mergulhar de cabeça no mundo acadêmico. Até que 2009 eu fui demitido do banco. Um leve frio na barriga, mas pensei: mundo acadêmico, aí vou eu. Ninguém me segura mais! Os anos no mundo corporativo trabalhando em áreas de planejamento de marketing pelo menos me trouxeram algumas virtudes. Iniciei um trabalho cirúrgico de como iria fazer aquele mergulho no mundo das aulas, da pesquisa, entre alunos e professores. Fiquei um mês inteiro no Google pesquisando contatos de email de coordenadores de curso por todo o Brasil. Levantei mais de cinco mil endereços e comecei um trabalho de prospecção de aulas. Mandava emails contando meu percurso acadêmico e profissional, e me colocando à disposição para aulas e palestras. Muitos simplesmente não respondiam, outros respondiam com aquelas respostas clichês dizendo que iriam avaliar etc. Uma pequena parcela de coordenadores começava um diálogo comigo e me convidava para palestras.

Cada convite para uma aula ou uma palestra era uma festa. Pegava minha mulher e ía tomar um Skol gelada na esquina de casa. Com o passar dos anos mais aulas, palestras e cursos iam surgindo. Conhecia cidades e pessoas que nunca imaginaria ter contato.

Fui para o interior do estado de Goiás, Mato Grosso, Bahia, Rio de Janeiro, Minas Gerais, entre outros cantos do Brasil. Conheci Lucas do Rio Verde (Mato Grosso), Jataí (Goiás), etc. Quando minha carreira acadêmica aparentemente começou a deslanchar, a necessidade de um mestrado também se fez cada vez mais fundamental para mim. O mestrado era uma espécie de certificação que muitas escolas pediam, e eu mesmo comecei a me exigir isso.

Por meio de outra colega, fiquei sabendo da possibilidade de ingressar na USP como aluno especial dos programas de mestrado. Fui me inscrevendo e fui sendo aceito. Cheguei a fazer oito disciplinas nas mais diversas faculdades da USP, sempre na condição de aluno especial. Iniciei também uma disciplina de “Tópicos de Estratégias de Produção articuladas ao Consumo”  na ESPM/SP como aluno ouvinte da Profa. Gisela Castro (que viria a ser minha orientadora futuramente), e que acabei não concluindo infelizmente por conta de outros compromissos inadiáveis que acabaram surgindo.

As disciplinas cursadas foram:

•           2009: ECA-USP / Disciplina: “Semiótica da Marca: expressividades e sensorialidades” ministrado pela Profa. Clotilde Perez (que estave na minha banca de graduação em 2001)

•           2010: FEA-USP / Disciplina: “Comunicação Integrada de Marketing” ministrada pelo Prof. Edson Crescitelli

•           2010: FEA-USP / Disciplina: “Marketing Estratégico” ministrado pela Prof. Geraldo Luciano Toledo

•           2010: FFLCH-USP / Disciplina: “Semiótica Visual” ministrado pela Prof. Antonio Vicente Pietroforti

•           2010: ESPM-SP / Disciplina: “Tópicos de Estratégias de Produção articuladas ao Consumo” ministrada pela Profa. Gisela Castro (essa disciplina não foi cursada completamente)

•           2011: FAU-USP / Disciplina: “Teoria e Prática da Arquitetura Contemporânea” ministrada pelo Prof. Lucio Gomes Machado

•           2011: FAU-USP / Disciplina: “Metrópole e Vanguardas Artísticas” ministrado pelo Prof. Ricardo Marques de Azevedo

•           2011: ECA-USP / Disciplina: “A polêmica estética: modernidade versus pós-modernidade” ministrada pela Profa. Elza Ajzenberg

•           2011: ECA-USP / Disciplina: “Arte Contemporânea” ministrada pela Profa. Elza Ajzemberg

Não tenho palavras para descrever o quão engrandecedor foram esses anos para mim. Transitei nas mais diversas áreas do conhecimento. Nunca tinha estudado na USP e foi uma experiência simplesmente espetacular. Nunca tinha pisado na FFLCH, foi perturbador, bizarro e ao mesmo tempo incrível. Comecei a ler textos de Floch, Greimas e Levi-Strauss e quase enlouquecia. Mas jogar a toalha era algo que não passava pela minha cabeça.

Aos poucos, as coisas foram se ajeitando. Nunca tinha pisado na ECA-USP e fiz três cursos lá. Cursei a disciplina de “Semiótica de Marcas” com a Profa. Clotilde Perez, onde tivemos dois mini-cursos espetaculares dentro dessa disciplina: um com o Prof. Paulo de Lancastre (Univesidade Católica do Porto/Portugal) e outro com o Prof. Pedro Hellín (Univesidad de Murcia/Espanha). Também fiz parte do GESC (grupo de pesquisa coordenador pela Clotilde Perez e por Eneus Trindade) onde estudamos o fenômeno da pirataria. Nessa época me inscrevi em um dos mini-cursos que mais marcaram minha vida acadêmica: o Prof. Guillermo Orozco (Univesidad de Guadalajara/Mexico) esteve na ECA-USP e ministrou um mini-curso de três dias sobre “Comunicação, Visualidades e Novas Tecnologias”. Bravo!

Nunca tinha feito nenhum curso de artes na vida, e me apaixonei por esse fascinante universo por meio da Profa. Elza Ajzenberg (ex-diretora do Museu de Arte Contemporânea de SP) com quem cursei duas disciplinas durante um ano inteiro. A imersão no universo artístico foi de fundamental importância para me ajudar a compreender as relações humanas, sociedade, cultura e história. Nunca tinha feito nada na vida sobre arquitetura, e passei horas prazerosas no sede da FAU-USP da rua Maranhão em Higienópolis. Eu simplesmente abria a cabeça para aquele mundo novo que estava diante dos meus olhos.  E foi justamente na FAU onde meu projeto de pesquisa cristalizou-se. O Prof. Lucio Gomes Machado tinha como principal linha de pesquisa o estudo de museus. Nesse sentido, desenvolvi um pré-projeto baseado em conceitos de “marketing experience para museus” que culminou em um artigo apresentado no I COMUNICON 2011 na ESPM e na minha entrada como aluno regular no PPGCOM ESPM. Esse projeto acabou sendo abortado em função de um maior alinhamento de meu projeto com a linha de pesquisa da minha orientadora Gisela Castro, mais voltado para elementos de comunicação, consumo e cibercultura. No entanto, o mundo dos museus e toda sua atmosfera encantadora ainda permanece em mim.

faap final turma 1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Uma das turmas mais queridas que já peguei até hoje, na FAAP em 2013.

Nesse ínterim muitas outras coisas boas foram acontecendo e me dando cada vez mais visibilidade. Fui convidado como professor para lecionar em prestigiadas escola de negócios como a Business School SP, FIA-USP, Faculdade de Belas Artes, Católica/SC, PUC/PR, entre outras. Coordenei um curso de MBA em Marketing, Consumo e Mídia Online na Trevisan Escola de Negócios, e cursos intensivos de Mídias Digitais e de Estratégias Avançadas de Branding na Escola São Paulo.

No ano 2012 lancei meu primeiro livro: Branding, a arte de construir marcas, pela Editora Trevisan e com o patrocínio da Fischer & Friends. Entrei no Mestrado do PPGCOM ESPM em 2012. Uma mistura de celebração com frio na barriga e a nítida sensação de uma contundente e importante fase de minha vida sendo iniciada. Sabia que começava ali um ritual de passagem definitivo para o mundo da pesquisa acadêmica. Fui agraciado com a uma bolsa parcial institucional para cuidar da comunicação digital de nosso PPGCOM. Creio que fiz um bom trabalho e dei um pontapé inicial na criação de uma presença online de nosso Programa nas redes sociais digitais.

No primeiro semestre de 2012, cursei a disciplina “Metodologia Científica” com o Prof. Luiz Peres-Neto, a disciplina “Teorias de Comunicação e da Mídia” com as Profas. Márcia Tondato e Mônica Rebecca, e a disciplina optativa “Temas contemporâneos em lógicas de produção e estratégias midiáticas articuladas ao consumo I” com a minha orientadora Gisela Castro. Cursar três disciplinas em um mesmo semestre letivo não foi nada fácil, mas absolutamente proveitoso e enriquecedor. Comecei com o pé direito o meu curso de mestrado. A disciplina do Prof. Luiz Peres-Neto foi extremamente importante para nos “ungir” quanto ao ofício de pesquisador. Textos de Feyerabend, Prigogine, Morin e Kuhn eram áridos, mas fundamentais, eram densos, porém pertinentes. As professoras Márcia e Mônica criaram sólidos alicerces para entender as teorias de comunicação por meio de autores como Adorno, McLuhan, entre outros. A Profa. Silvia Borelli nos deu o prazer de uma aula onde pudemos discutir Walter Benjamin. E na disciplina de minha orientadora eu me deparei com outros lúcidos pesquisadores e textos simplesmente apaixonantes. Aproveitei para assistir algumas bancas de defesa de mestrado e já ir me habituando com aquele, aparentemente tenso, ritual do qual eu seria o protagonista 24 meses depois. Que belíssimo primeiro semestre eu tive!

No segundo semestre, fiz apenas a disciplina obrigatória “Histórias das interfaces comunicação e consumo I” ministrada pela Profa. Rose de Melo Rocha e pelo Prof. Luiz Peres-Neto. Na ECA-USP, na qualidade de aluno ouvinte, cursei a disciplina “Novas formas de habitar”, do Prof. Massimo di Felice. Foi um semestre importante para solidificação dos meus alicerces conceituais. Um semestre que fez entender como se formaram as lógicas atuais de consumo que permeiam a nossa sociedade. A disciplina de Massimo, em especial, foi um tanto árida, pois li textos bastante complexos de Habermas e Edgar Morin, além do genial Bruno Latour e sua inovadora teoria ator-rede. Também no segundo semestre, nasceram os novos grupos de pesquisa do PPGCOM ESPM. Comecei a fazer parte do GECCO (Grupo CNPq de Pesquisa em Entretenimento, Comunicação e Consumo) coordenado pelas professoras Gisela Castro e Mônica Rebecca. Nós nos reunimos duas vezes ao mês para debater textos sobre a comunicação e o consumo sob a perspectiva do entretenimento, criando bases conceituais para aquele grupo de pesquisa que acabara de nascer.

pais e mulher

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No lançamento de meu primeiro livro de BRANDING na Livraria Cultura em 2012. Na foto com meu pais e minha mulher Camila.

 

No terceiro semestre, deixei o trabalho de comunicação digital do PPGCOM ESPM  e conquistei a bolsa institucional integral. Fui transferido para o ESPM MediaLab, onde trabalharia com os Profs. Vinicius Andrade Pereira e Beatriz Polivanov. Cursei a disciplina “Seminários de Pesquisa” com a Profa. Tânia Hoff e fui aprovado como aluno especial na ECA-USP com a Profa. Elizabeth Saad na disciplina: “Comunicação e redes na era digital: pensamento contemporâneo e tendências tecnológicas”. Foi a vez de conhecer mais a fundo autores como Henry Jenkins, Bruno Latour, Clay Shirky, entre outros. Fiz também a disciplina “Temas contemporâneos / produção III” com a minha orientadora Gisela Castro. Aproveitei para assistir mais algumas bancas de defesa de mestrado. As bases teóricas para construção definitiva de meu projeto de pesquisa estavam cada vez mais sólidas. Ao longo dessa trajetória de três semestres, fui conhecendo autores e conceitos que nem sabia que existiam. Textos de pensadores como Canclini, Sherry Turkle, Erick Felinto, Henry Jenkins, Lucia Santaella, Paulo Vaz, Gisela Castro, Vinícius Andrade, Alex Primo e Paula Sibilia iam passando pelos meus olhos e ganhando minha admiração, minha paixão.

As minhas aulas de marketing em outras instituições logicamente sofreram uma impacto naquele “banho de loja” de ciências sociais que estava tendo. Eu falava de Marketing, de 4 P’s de Marketing, Segmentação e Posicionamento de Marca, mas quando sentia uma brecha falava de consumo simbólico, desconstruía conceitos de “comportamento do consumidor”, e mostrava autores como Canclini, Sherry Turkle, Lucien Sfez, entre outros. Modéstia à parte, percebi que minhas aulas de marketing tiveram uma salto de qualidade incrível devido ao aprimoramento de minha formação no PPGCOM ESPM.

Ao longo dos últimos três semestres como mestrando do PPGCOM ESPM, participei dos seguintes eventos acadêmicos:

•           Atividade Programada (palestra) com o Prof. Eric Landovski, intitulada “Regimes de sentido e estilo de vida”, uma co-promoção do PPGCOM ESPM com o PPGCOS-PUC/SP, em abril de 2013 na ESPM-SP (4 horas).

•           Conferência semestral do Fórum de PPGCOMs SP, ministrada pela Prof. Maria Helena Weber (nossa representante de área na CAPES), evento realizado em abril de 2013 na ESPM (4 horas).

•           Atividade Programada (palestra) com o Prof. Pedro Hellín (Univesidad de Murcia/Espanha), intitulada “Creatividad em el uso de lós formatos promocionales em red” realizada no PPGCOM ESPM em outubro de 2012 (4 horas).

•           Atividade Programada (palestra) com o Profa. Marta Rosales (Universidade Nova Lisboa) intitulada “O mundo em casa: abordagens etnográficas ao consumo mediatizado” realizado em setembro de 2012 (4 horas).

•           Mini curso com o Prof. Arturo Colorado Castellary (Universidad Complutense de Madrid), “Cultura Visual, Arte y Tecnología – Interconexiones estáticas contemporâneas”, promovida pelo PPGCOM ESPM/SP e realizada em junho de 2012 (4 horas).

•           Encontro acadêmico com a Profa. Milly Buonanno (Università di Roma, diretora do Osservatorio sulla Fiction Italiana) e o Prof. Giovanni Bechelloni (Università di Firenze, vice-presidente da Associazione Italiana di Sociologia) no qual falaram, respectivamente, sobre “Ficção televisiva: identidade e memória” e “Campo da comunicação e interdisciplinaridade: a mídia entre a identidade e o mercado”, realizado no PPGCOM ESPM em agosto de 2012 (4 horas)

•           I Ciclo ESPM de Comunicação e Marketing / Painel: Evento Novo Brasil: Múltiplas Identidades – O Brasil na novela” com as professoras Marcia Perencin Tondato e Silvia Borelli, em agosto de 2012 na Livraria Cultura (4 horas).

•           Aula inaugural PPGCOM da ECA-USP com Prof. Dr. Nestor Garcia Canclin, em agosto de 2012 com o título: ¿De que hablamos cuando hablamos de convergencia? Televisión y médios digitales: una perspectiva discursiva.

•           Aula especial de comemoração dos 40 anos do PPGCOM da ECA-USP com Gilles Lipovetsky”, realizado na ECA-USP em agosto de 2012.

•           Seminário “A vida secreta dos objetos” com os pesquisadores Erick Felinto, Massimo di Felice, Lucia Santaella e Rose de Melo Rocha, realizado em julho de 2012, na PUC/SP (4 horas).

•           Mesa Redonda “O campo da comunicação: uma discussão à luz de mutações culturais” com os pesquisadores Massimo Canevacci (Universidade La Sapienza/Roma), Maria Immacolata Vassalo Lopes (ECA-USP), Eugênio Trivinho (PUC-SP) e Rose de Melo Rocha (ESPM), em março de 2012, na ECA-USP (4 horas).

•           Aula Inaugural 2012 ministrada pela Profa. Dra. Gislene Silva (UFSC), intitulada “Consciência metodológica como segurança e liberdade na pesquisa”. Evento promovido pelo Programa de Mestrado em Comunicação e Práticas de Consumo, realizado no dia 29 de março de 2012 na ESPM/SP.

Foram atividades de extrema importância para o início de um amadurecimento como pesquisador acadêmico. Aprendi o rigor e, acima de tudo, a responsabilidade que devemos ter ao iniciarmos cada projeto de pesquisa, bem como a importância do uso de vocabulário pertinente e adequado ao campo acadêmico. Enfim, etapas fundamentais para o meu processo de maturação acadêmica como mestrando.

alunos ppgcom

Nossa turma de mestrado da ESPM, na cantina durante algum intervalo de aulas (da esquerda para direita): Bruno, Liz, Fabrizzio, Marisa, Jacque, Bia, Guy e eu.

 

Já as minhas apresentações de trabalhos em eventos, seminários e congressos foram as seguintes:

•           HILLER, Marcos. “Comunicação, Consumo e Identidade nas Redes Digitais: a construção de um “eu midiático” por jovens universitários da Grande São Paulo. Trabalho apresentado no GT Interfaces Comunicacionais. Intercom Sudeste, UNESP: Bauru, 2013.

•           HILLER, Marcos. “Comunicação, Consumo e Espetáculo: um olhar debordiano para a Nova Iorque de 2012”. Trabalho apresentado no GT Apropriações da Cidade: cultura, esporte e marketing. III Seminário Internacional de Pesquisa: Consumo (SIEP). PUC/SP: São Paulo, 2013.

•           HILLER, Marcos. CASTRO, Gisela G. S. Comunicação, consumo e redes digitais: um olhar reflexivo sobre o “reality show fitness” no Instagram. Trabalho apresentado no GT Entretenimento Digital. I Seminário da Interação Mediada por Computador (SIMC 2013). Fabico/UFRGS: Porto Alegre, 2013.

•           HILLER, Marcos. Comunicação, cibercultura e o consumo tecnológico da Apple. Trabalho apresentado no GT Comunicação Corporativa e Práticas de Produção e Consumo Online do VI Simpósio Nacional da ABCiber Entretenimento Digital. Universidade Feevale: Novo Hamburgo, 2012.

•           HILLER, Marcos. Comunicação, Tecnologia e Cibercultura: usos e consumos de sites de rede sociais digitais. Trabalho apresentado ao GT Comunicação, Consumo, Entretenimento e Cultura Digital (coordenação: Profa Gisela Castro) do II Congresso Internacional de Comunicação e Consumo (COMUNICON), evento do PPGCOM ESPM: São Paulo, 2012.

•           HILLER, Marcos. Comunicação, Consumo e Ciberespaço: Convergências e simbiose na nova arena digital. Trabalho apresentado ao GT Subjetividade e Produção de Sentido. V Congresso de Estudantes de Pós-graduação em Comunicação (CONECO). Evento realizado na UFF: Niterói, 2012.

Nesses eventos pude ter contato com pesquisadores de grande prestígio no campo da comunicação brasileira. Circulei em GTs, assisti palestras geniais (como destaque para a Nancy Baym no ABCiber 2012, e de Lúcia Santaella no SIMC 2013), apresentei trabalhos, recebi críticas e comentários reparadores para o meu aprimoramento como pesquisador. Aperfeiçoei repertório teórico e conceitual, meu domínio do vocabulário acadêmico e conversei com pesquisadores que são minhas bibliografias “em carne e osso”. Tudo isso endossava cada vez mais minhas investidas nesta área, como se fosse uma espécie de unção às minhas pretensões no campo.

Que venha o rito de passagem chamado: qualificação. O meu percurso acadêmico-científico está em pleno processo de pavimentação. O tema escolhido para minha pesquisa se insere na linha de pesquisa denominada “lógicas de produção e estratégias midiáticas articuladas ao consumo” no Programa de Comunicação e Práticas do Consumo da ESPM-SP. A escolha do tema não foi uma tarefa nada fácil. Foram inúmeras conversas, cafés e Coca-Colas Zero (com muito gelo) com a minha orientadora Gisela Castro a fim de recortarmos bem esse objeto de investigação. Ao final, chegamos a esse tema que muito me agrada, pois vou pesquisar redes sociais digitais, um assunto relevante e ainda relativamente novo para o campo da Comunicação. May the force be with me! Let’s roll!  

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − = 10