A lógica de dar um check-in

  • wppem aeroporto do Brasil: claro! Demais! Sou um cara viajado e bem sucedido! 
  • na rodoviária: nem ferrando!
  • em aeroporto na gringa: demais!!!! Melhor ainda! Sou internacional! Tenho Fidelidade TAM vermelho. Sou rico!
  • em sala VIP de aeroporto: UAU! simplesmente sensacional! e ainda fazer um selfie para o Instagram né? senão não faz o menor sentido estar ali.
  • em sala VIP de aeroporto no exterior: sou um semi-deus!
  • na sala VIP que a Viação Cometa disponibiliza para os passegeiros no segundo sub-solo do Terminal Rodoviário do Tietê: olha, eu acho que melhor não!
  • no shopping JK Iguatemi: claro!
  • no shopping Interlagos: não!
  • no Ráscal: demais!!! Eu almoço em lugares top! E aprecio gastronomia mediterrânea
  • no Habib’s: nem ferrando!
  • na fila do Drive-Thru do Habib´s dentro do meu Celta (que está com a parcela em atraso): não, não, não!
  • no Giraffa’s; nem ferrando! vc tá louco?
  • no Parque do Ibirapuera: óbvio! Joga a meu favor! Sou malhado! Estou em forma!!!
  • no Parque do Carmo: melhor não!
  • no Pão de Açúcar: legal! Acho produtos orgânicos e sem glúten pra minha casa. Sou cool. 
  • no DIA Supermercados: nem ferrando!
  • na Livraria Cultura: UAU! Demais! Sou descoladão e devoro livros!
  • no Santo Grão dentro da Livraria Cultura: humilhou a sua timeline inteira!
  • nas Lojas Americanas comprando uma Caixa de Bis Branco depois do almoço: nem ferrando!
  • no Hospital Israelita Albert Einstein: TOP! Meu plano de saúde cobre o Einstein! E o seu acho que não, né? Então toma essa!
  • no hospital Santa Piraporinha do SUS: não há nenhuma necessidade, melhor não!
  • na Biblioteca: bem legal. Sou culto!
  • na fila do cartório autenticando documentos: melhor não!
  • na Hamburgeria Nacional: Opa!!!!! Cool. Estou gourmetizando meu check-in!
  • no Subway onde eu como todo santo dia aquele sanduba de frango “barato do dia”: melhor não!
  • no Spoleto: hummmm, também não!
  • na praia de Maresias: TOP DEMAIS!!!!
  • na praia do Leblon Posto 12: demais! dar um check-in no Leblon de Manoel Carlos é demais! e vou esperar um pouco para postar o por do sol no meu Insta! óbvio!!! Vai explodir de likes! Aeeeeee!
  • na praia de São Vicente: better not!
  • criar uma venue na minha própria casa e ficar dando check-in todo dia para ganhar badges: isso é um problema. Procure um Médico!

 

Brincadeiras à parte e sem a menor intenção de denegrir a imagem dos estabelecimentos aqui cito, minha intenção aqui é satirizar um pouco as lógicas do check-in que vemos todos os dias em nossas timelines. Cada um de nós tem uma estratégia de uso e apropriação desses espaços online. O pesquisador Eduardo Pellanda da PUC-RS disse que o Foursquare (e agora Swarm) é um jogo onde a cidade é o tabuleiro. Cada um de nós somos jogadores e temos uma estratégia de utilização desses aplicativos online, temos os nossos critérios, criamos a nossas regras de uso, desenvolvemos nossos rituais de utilização, temos as nossas disputas simbólicas ali dentro. Ms o fato é que procuramos sempre construir uma imagem sempre muito seletiva e muito favorável de nós mesmos, afinal, consciente ou insconscientemente, em tudo que fazemos nas nossas vidas, o que falamos, o que vestimos, onde vamos, o que escrevemos no Facebook, o ato de dar um check-in aqui, ali ou acollá, sempre projetamos o olhar do outro, Erving Goffman já nos disse isso, décadas atrás, em seu belo livro “A representação do eu na vida cotidiana”.

Marcos Hiller

 

PS: essa foto maravilhosa que ilustra meu texto não tem nada a ver com o check-in. Essa foto foi eleita a foto do ano em 2013 no prêmio mais importante do concurso World Press Photo. O dono da foto é o americano John Stanmeyer, e a foto foi clicada para a National Geographic. Ele registrou o momento em que imigrantes africanos tentavam achar sinal no litoral do país chamado Djibouti, no Noroeste da África, para tentar contato com seus familiares por celular. A localização é estratégica para ‘aventureiros’ da Somália, Etiópia e Eritreia que buscam melhores condições de vida na Europa e no Oriente Médio. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *