O Hopi Hari vai virar Disney?

por @MarcosHiller

Nunca foi tão forte o rumor que a Disney, um dos maiores impérios do entretenimento no planeta, estivesse em franca negociação para compra do parque Hopi Hari, na região de Vinhedo em São Paulo. Há pelo menos 3 anos, o assunto já é discutido amplamente, e um possível acordo para a compra do parque estaria para ser concretizado a qualquer momento. Para o Hopi Hari, que nos últimos anos sofreu sérias crises de imagem de marca, seria um alento esse suposto processo de renascimento do parque pela marca Disney. E nada melhor do que ser substituído por uma marca tão admirada como essa, e uma das mais valiosas do mundo, segundo o último ranking da Millward Brown.

O conceito original do Hopi Hari é fantástico. Um parque temático, com uma marca bem montada, com funcionários bem treinados, com um idioma próprio, brinquedos sensacionais e com outros vários detalhes fundamentais para construção consistente de uma marca. Perfeito! No entanto, após anos de operação, em fevereiro de 2012, o Hopi Hari sofreu uma de suas piores crises de imagem de marca. A morte da adolescente Gabriela Nichimura, após queda do ‘La Tour Eiffel’, fez com que o parque ficasse fechado por 22 dias. O Ministério Público denunciou 12 pessoas por homicídio culposo. Logo após o acidente, o parque permaneceu aberto, demonstrando total despreparo diante de uma situação gravíssima como aquela. A vítima foi atendida prontamente, mas infelizmente faleceu em seguida antes de chegar ao hospital em Jundiaí. O que vimos foi uma fatalidade e que impactou de forma contundente a marca Hopi Hari. Os números de visitação do parque sofreram quedas e outros parques como o “Beto Carrero World” em Santa Catarina receberam excelentes índices de visitação. Isso é um movimento meio natural das pessoas, assim como alguns turistas estão preferindo outras opções de roteiros românticos em vez de cruzeiros marítimos pelos mares mediterrâneos, em virtude do emblemático acidente marcado pelo “Vada a bordo, cazzo”, ouvido pelo comandante Francesco Schettino do navio de cruzeiro italiano.

Uma ação simples que o Hopi Hari poderia ter adotado após a morte da menina é a retirada do brinquedo “La Tour Eiffel” do parque. Sob a ótica de gestão de crise de marca, a permanência do enorme brinquedo protagonista do acidente fatal, só reacende o fato todas as vezes que se passa de carro diante no parque na Rodovia dos Bandeirantes em São Paulo. Mas no que tange ações digitais, ou o chamado SEO reverso, isso foi feito. O SEO (sigla da Search Engine Marketing) é o trabalho que se faz em um site para que ele apareça nos primeiros resultados da busca orgânica (não-paga) do Google. E o SEO reverso é o trabalho que se faz que um resultado específico saia das primeiras páginas do Google. No dia de hoje por exemplo, quase 1 ano depois do acidente fatal no parque, quando se digita o termo “Hopi Hari” o Google, o resultado com a notícia relatando o incidente já não está mais na primeira página do Google.

No dia 4 de julho do ano passado também, o Hopi Hari foi condenado pela Justiça do Trabalho de Jundiaí a pagar indenização por danos morais coletivos no valor de R$ 500 mil por submeter trabalhadores a revista íntima e a revista de armários, bolsas e outros pertences. Em 2012 também o parque de diversões e a empresa GT Ultralights foram condenados pela Justiça do Trabalho a indenizar em R$ 1,5 milhão o esquiador norte-americano Ryan Mitchel Bergeron, por danos morais e materiais. O jovem, de 24 anos, perdeu o movimento das pernas ao bater a cabeça e fraturar a coluna durante um show de esqui aquático promovido por grupo especializado, em 2008. Ou seja, uma série de incidentes e que certamente trazem riscos de imagem gravíssimos a uma marca. E crises de imagem de marcas são como manchas de óleo no oceano, algumas são mais graves, outras menos graves. Mas o que vem acontecendo com a marca Hopi Hari nos últimos anos trata-se de uma mancha gigantesca. Incidentes como esses deixarão uma cicatriz profunda e eterna na marca Hopi Hari e que, se não bem estancada, pode causar um sangramento fatal da marca. Só o tempo e a habilidade dos gestores da marca Hopi Hari nos darão um diagnóstico. 

E nada melhor nesse momento nefrálgico do que uma das marcas mais amadas do planeta possivelmente aterrissar em Vinhedo para que todas essas manchas de óleo sejam instantaneamente limpadas do oceano. Para os olhos da Disney, nada mal ter um parque no Brasil, hoje a sétima economia do mundo, e a exemplo do que eles já fizeram levando filiais da Disney para a Europa e Japão. A Copa do Mundo do Mundo e as Olímpiadas já estão a caminho do Brasil, nos resta assistir de camarote se Mickey Mouse pretende vir também. Tomara!