A miopia dos conceitos de geração X, Y, Z e millenials.

A miopia dos conceitos de geração X, Y, Z e millenials.

por MARCOS HILLER

Sempre digo que o mundo digital é muito fértil. Ele faz aflorar a cada dia novos personagens que se auto-proclamam super especialistas dessa arena online, que é extremamente dinâmica, complexa e movediça, quanto mais você se mexe mais perigoso vai se tornando. Criam-se neologismos a bel prazer, termos bonitos, expressões super sexys, infográficos moderninhos, stories cheios de efeitos, keynotes, powerpoints que brilham no escuro, uploadam vídeos super bem produzidos filmados em 4K, além de mega palestras com microfoninho afixado na bochecha e todos os eteceteras que você desejar. Se alguém chegar na sua frente, bater no peito e dizer que é um super especialista dessa cena digital, olhe bem no fundo do olho dele, dê um passo à trás e desconfie. Para mim, isso ainda não existe. Afinal, estamos todos no mesmo barco em um complexo processo de aprendizagem mútua de como entender as lógicas e engrenagens desses novos espaços comunicacionais online. Nessa arena online que habitamos, devemos dar cada passo de forma minuciosa. Tudo é muito difuso e hesitante.

Dentro de toda essa euforia discursiva que o palco do mundo digital nos apresenta, a cada dia vemos novos termos sendo criados no intuito de se desenvolver algum tipo de categorização para esses novos fenômenos. Geração Y, Millenials, Geração X, Z, W, Humanóides, etc, etc são algum dos termos que vejo, concebidos despudoradamente e que tenho lido de anos pra cá. Outro dia vi um dito professor mostrar uma tabela excel com datas, anos de nascimento e a qual respectiva geração cada um de nós pertencia. Oi? Não é tão cartesiano assim a parada, meu chapa. Eu não gosto desses termos, eles são rasos e reducionistas. Acho que são termos muito marqueteiros e usados de forma por vezes meio leviana, sabia? E tem gente que carrega um estandarte com esses edulcorados termos e que fazem vender livros, palestras, ganham views, likes, seguidores, etc. Os chamados “e-Books” sobre esses temas então pupulam por nossas timelines. Aliás chamar essas coisas de e-Book é rir da nossa cara, né? Outro dia, apareceu um desses em minha timeline, sagazmente amarrado com uma boa estratégia de inbound e captura de emails, e que me dei ao trabalho de baixar um deles. Para minha surpresa, era “vendido” como livro, mas quando baixei se tratava de um powerpoint safado com cerca de 30 slides, e que me ofereceram como um “e-Book”. O que me preocupa e, que me deixa levemente angustiado, é que muitos desavisados e muita gente pelo Brasil afora caem nessas armadilhas fáceis e tomam aquilo como verdade. Afinal, pra quem tem sede de conhecimento, qualquer golinho de água serve.

facebook-surreal5Pegando apenas o exemplo do Brasil, somos um país gigantesco, continental e com mais de 220 milhões de pessoas. Um país fragmentado, plural e com uma das maiores desigualdades sociais do planeta. Quer dizer que jovens nascidos dos anos 2000 pra cá são da geração tal e todos se comportam desse jeito blá, blá, blá??? Não é bem isso. Não podemos comparar jovens da classe alta de São Paulo moradores do bairro dos Jardins com um jovem de classe baixa de uma cidadezinha do interior de Rondônia. E praticamente todas essas categorizações de geração isso ou aquilo colocam todos no mesmo balaio a partir apenas dessa variável etária. Simplesmente dão de ombros para essas outras inúmeras variáveis essenciais. De novo, chamar pessoas de geração X ou Y, ou seja lá o que for, eu acho algo frágil, refratário e irresponsável. É um olhar muito reducionista que simplesmente desconsidera outra centenas de variáveis culturais, psicológicas, sociais e econômicas, e que realmente determinam nossos modos de ser e consumo de mídia, por exemplo. É claro que essas classificações são sedutoras e usadas como atalhos mentais muito astutos e que simplificam o entendimento da pessoa de um modo mais fácil. Mas seja cauteloso. Compreensão de hábitos de consumo de determinados segmentos de consumidores a fim de colocarmos eles em caixinhas para algum tipo de sistematização de comportamentos, exige um extremo rigor metodológico, estatístico, sociológico e geográfico. Sugiro um mapeamento preliminar cuidadoso mais representativo de natureza mais quantitativa e depois um um aprofundamento mais qualitativo para se buscar algum tipo de nitidez de entendimento. Uma pesquisa empírica baseada na mera observação também é uma técnica valiosa e que também certamente oferecerá bons insights. Há estudos de geração Z, por exemplo, que colocam jovens de diversas partes do mundo na mesma cesta e buscam categorizações, ao meu ver, completamente míopes. Se estamos falando de Brasil, o mundo então é algo absolutamente ainda mais fragmentado, diverso, heterogêneo e multifacetado. Quando vejo esses gráficos, sempre vou buscar a fonte na cantinho, e quase sempre são institutos e empresas de baixíssima relevância e confiança.

Você sabia que nosso Brasil tem cerca de 100 milhões de pessoas que nem acesso à internet elas têm? Você sabia que nosso país tem cerca de 100 milhões de pessoas que nem acesso à água encanada elas têm? Você sabia que uma entre cada três pessoas acima de 16 anos em nosso país é desbancarizada? Você sabia que metade de nossos mais de 5000 prefeitos de nosso país nem faculdade tem? Pois então, durma com esse barulho. O Brasil tem muitas virtudes e seríssimos problemas para resolver ainda.

Cuidado para não deduzir hábitos de consumo de mídia a partir de seu entorno, a partir de sua bolha de classe média privilegiada. Por exemplos, prega-se que essas novas gerações de jovens são novos seres, que são multi-tarefa, multi-isso, multi-aquilo. Que as crianças hoje em dia fazem mil coisas ao mesmo tempo, que bebezinhos com meses de vida já conseguem desbloquear o iPhone com o dedinho. Mas será que tudo isso são características peculiares dessas novas gerações? Será que é possível termos drásticas mudanças geracionais em 20 ou 30 anos apenas? Oras, se dessem um iPad na nossa mão quando éramos criancinhas, será que também não sairmos dominando o touch-screen de forma íntima? É claro que sim! Na nossa época nossos brinquedos eram outros. Eu tenho 42 anos hoje e quando era criança não existia o tal iPad, nem smartphones, nem nenhuma outra engenhoca que se aproxime desses incríveis dispositivos eletrônicos, nem dos vídeo-games que temos hoje. Meus brinquedos eram apenas outros, pipas, piões, bola, jogos de tabuleiro etc. Eletronicamente falando, nem um reles “Pense Bem” eu tive. Mas tive um Atari e um Tele-Jogo. Yes!!! E ganhei um Colossus do meu pai aos 10 anos de idade. E esse mulekada hoje tem iPad, iPhones, Smart Watches, X-Box, usa TikTok dia todo, assiste uma miríade de canais de YouTube, usa aplicativos pedagógicos, fica no Discovery Kids ligado o dia inteiro. Eles são muito mais estimulados do que nós fomos na nossa longíngua infância e por isso, tendem a adquirir uma capacidade sensório-motora um pouco mais polida que a nossa. Apenas isso. Simples assim.

O uso do vídeo-game deixa a criança mais inteligente? Metade dos especialistas dizem que sim, outra metade diz que não. Ele deixa a criança mais violenta? Metade fala sim, e metade fala não. Games deixam crianças mais ansiosas? Sim! Vídeo-game vicia? Com certeza! Devido a esse tamanho estímulo que essas gerações mais recentes recebem, eles serão mais inteligentes que a gente quando chegaram aos 20 ou 30 anos? A resposta é: talvez sim, talvez não, a resposta é uma folha em branco, não sabemos. Oras! Mas o filho do meu primo estuda e ao mesmo tempo escuta música com fone de ouvido, e joga Minicraft no iPad, e assiste um vídeo do canal favorito do YouTube, tudo ao mesmo tempo de forma simultânea. Tsc! Tsc! Não, cara pálida! Ele faz uma coisa de cada vez, ninguém faz mil coisas ao mesmo tempo. Quer dizer, talvez a minha Avó Elsa tivesse sido sim multi-tarefa pois ela criou meu pai e mais 5 irmãos, e cozinhava, lavava, passada, arrumava a casa, produzia conservas e cerveja artesanal para vender na cidade. Tudo ao mesmo tempo!

Analisar esses novos fenômenos da cena digital, destilarmos nossa opinião e cair em argumentos simplistas é uma armadilha fácil e irresistível para alguns desavisados. E vejo muitos “gurus de plantão” caírem nessa arapuca. Por isso, entendo que devemos nos preparar, estudar, pesquisar de verdade, e ter a lupa bem ajustada para tentarmos ter algum tipo de lucidez em interpretar essa nova arena online. Seja muito cauteloso com relação ao que pauta esses discursos sobre a revolução-tecnológica-do-futuro-que-já-chegou. Vamos sempre tentar abandonar esse determinismo tecnológico e compreender as tecnologias como parte dos desdobramentos socioculturais que envolvem redes de pessoas, projetos e instituições. A sedutora ideia do TUDO MUDOU me parece um tanto ingênua e essencialmente arrogante.

Temos hoje grandes pensadores que entregam a vida no entendimento dos processos e fenômenos da cultura digital, então por que não segurar na mão desses nomes e analisar esses novos fenômenos à luz deles? Cito aqui alguns deles apenas: Vinicius Pereira e Erick Felinto da UERJ, Henry Jenkins, Gisela Castro da ESPM, Beatriz Polivanov da UFF, Nestor Canclini, Manuel Castells, André Lemos da UFBA, Beth Saad da ECA USP, Pierre Levy. Tudo gente graúda! Jogue os nomes deles no Google, YouTube, and have some fun. A dica de ouro é: muito cuidado com o que se lê! Seja muito, mas muito criterioso e não se impressione com mini-CVs gigantescos e cheio de termos bacanas. Cuidado com Fake News! Não é porque está na web é verdade, certo? O mundo digital é um ecossistema infestado de falsos profetas, charlatões cibernéticos, produtores ininterruptos de vídeos em HD e futurologistas baratos que fariam inveja na Mãe Dinah (RIP).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *